Google+
Boa Tarde, hoje é dia 18 de Fevereiro de 2019
(19) 3326.9555
olivastroadvogado@gmail.com
  Página Inicial
  Missão
  Artigos
  Links Úteis
  Notícias
  Área de Atuação
  Localização
  Contato
Notícias
18/02/2014 - TRF 1
Mantida condenação de comerciante que não repassou ao INSS as contribuições previdenciárias
 
A 3.ª Turma do TRF da 1.ª Região manteve a condenação de uma comerciante que deixou de recolher, no prazo, as contribuições descontadas dos empregados, destinadas à Previdência Social. A denunciada foi condenada pela Justiça Federal de Uberaba pela prática do delito tipificado no art. 168-A, combinado com o art. 71, ambos do Código Penal. 

O juiz da primeira instância substituiu a pena de dois anos e quatro meses de reclusão em regime inicial aberto por duas penas restritivas de direitos, correspondente a dois salários-mínimos, no período de seis meses, e prestação de serviços à comunidade. 

Inconformada, a comerciante recorreu à segunda instância, no Tribunal Regional Federal da 1.ª Região, pedindo sua absolvição, por insuficiência de provas, ou “estado de necessidade exculpante”. 

Ao analisar o recurso, a relatora, desembargadora federal Mônica Sifuentes, manteve a sentença da Justiça Federal mineira. Segundo a magistrada, a comprovação da materialidade do delito decorre da fiscalização realizada pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e da consequente autuação e notificação de que não foram repassadas aos cofres da autarquia as importâncias descontadas dos empregados da entidade devedora, a título de contribuição previdenciária, sendo desnecessária a realização de perícia contábil: “(...) o conteúdo confirma que a acusada, na qualidade de responsável pelas contribuições previdenciárias de maio a dezembro de 2005, deixou de recolher ao INSS a importância de R$ 14.093,81 referente ao recolhimento junto aos trabalhadores da empresa”, destacou a relatora. 

Além disso, a acusada confirmou que não repassou os valores à Previdência Social, segundo ela, por dificuldades financeiras da empresa gerida. 

A magistrada destacou, no entanto, que a ré não conseguiu comprovar as supostas dificuldades financeiras no período questionado, não sendo suficiente a mera afirmação de que a empresa não tinha recursos para recolher as contribuições previdenciárias. 

“Restou, portanto, caracterizada a conduta criminosa de não repassar aos cofres da previdência as contribuições descontadas dos empregados, esgotando-se o tipo penal pela mera transgressão do dispositivo legal, que nada tem de inconstitucional”, explicitou Mônica Sifuentes. 

A relatora considerou devidamente demonstradas a autoria e a materialidade do delito, e correta a substituição da pena privativa de liberdade por duas restritivas de direitos, conforme determinado na sentença. 

Seu voto foi acompanhado pelos demais magistrados da 3.ª Turma. 

Processo n. 0004366-16.2007.4.01.3802
 
 
Fonte: AASP - Clipping - 18/02/14

[+] Notícias
28/05/2015
TJMG - Banco indenizará cliente assaltado após saque em agência
O Bradesco foi condenado a indenizar um cliente, em R$ 15 mil, por danos morais, e em R$ 9.510, por danos materiais. O cliente foi vítima do assalto conhecido como “saidinha de banco”, após sacar dinheiro em uma agênci...
 
21/01/2015 - TRT2
TRT2 - Imóvel com Alienação Fiduciária Não Pode Ser Penhorado
Os magistrados da 8ª Turma do TRT da 2ª Região deram provimento a agravo de instrumento de um reclamante, determinando o processamento de um agravo de petição que havia sido trancado. Na análise do recurso princi...
 
21/01/2015 - TJRS
Negado pedido de pensão alimentícia em guarda compartilhada
A 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) negou pedido de alimentos provisórios, no valor de R$ 2,5 mil, requeridos pela mãe de uma criança em situação de guarda c...
 
15/01/2015 - O GLOBO - ECONOMIA - 14.1.15
Nova regra para a pensão por morte entra em vigor
A primeira alteração na regra da pensão por morte começou a valer nesta quarta-feira. A partir de agora, só tem direito ao benefício quem mantém, no mínimo, dois anos de relacionamento est&aacut...
 
08/01/2015 - VALOR ECONÔMICO - LEGISLAÇÃO & TRIBUTOS
Redes sociais viram meio de prova no Judiciário
As redes sociais deixaram de ser apenas uma forma de entretenimento e comunicação entre amigos para ser tornar também um meio de prova em processos judiciais. Atualmente, pesquisas nesses sites têm propiciado desde a identi...
 
 
Voltar
 
Inicial | Missão | Artigos | Links Úteis | Notícias | Área de Atuação | Localização | Contato
Denis Ferreira Olivastro - OAB/SP 116618 - Advocacia

Rua Mons. Antonio Benedito Spoladori - 71 - Sala 1 - Cjto 2 - Quinta das Videiras - 13290-000 | Louveira / SP

(19) 3326.9555
olivastroadvogado@gmail.com
Denis Ferreira Olivastro OAB/SP 116618 - Todos os direitos reservados.